No ar

Nome do programa indisponível

Ouça ao vivo Ouça ao vivo

A SUPREMA INSEGURANÇA JURÍDICA

A SUPREMA INSEGURANÇA JURÍDICA

Durante muitos anos, discutiu-se, na comunidade jurídica nacional, se as ações de ressarcimento ao erário oriundas de atos dolosos de improbidade administrativa são imprescritíveis (art. 37, §5º, da CF/1988).

Os juristas, na sua maioria, sustentavam que as ações de improbidade administrativa decorrentes de atos dolosos são prescritíveis.

Ou seja, decorridos mais de 5 anos, o suposto autor do ato de improbidade administrativa não poderia mais ser processado. Para tanto, arrolavam basicamente dois argumentos jurídicos: a segurança jurídica e a garantia da ampla defesa.


Recentemente, o Plenário do Supremo Tribunal Federal, em sede de repercussão geral, decidiu, por maioria, no julgamento do RE n. 852.375/SP, essa relevante polêmica jurídica. A tese fixada foi a seguinte: “São imprescritíveis as ações de ressarcimento ao erário fundadas na prática de ato doloso tipificado na lei de improbidade administrativa.”


Em função dessa decisão proferida pela Suprema Corte, um Ex-Prefeito Municipal, por exemplo, após 30 anos do término de seu mandato, poderá, quando já estiver em casa usufruindo da sua aposentadoria, ser acionado pelo Ministério Público para ressarcir, em tese, um dano causado ao erário durante o exercício de seu mandato.


Assim, pela decisão do STF, não há qualquer prazo para o Ministério Público ingressar com ação civil pública de reparação de atos dolosos causadores de dano ao erário. Porém, a mencionada decisão provoca profunda insegurança jurídica para os agentes públicos e terceiros que contratam com Administração Pública.

Decorridos anos da realização do negócio jurídico e/ou da prática de ato administrativo, as partes envolvidas, ainda que sequer guardem lembrança dos fatos praticados, terão de responder, obrigatoriamente, ao processo judicial.


Nesse caso, seguramente, a ampla defesa estará gravemente ferida, pois dificilmente os acusados terão condições de encontrar as provas documentais e testemunhais para fazer uma defesa justa e correta de seus atos.

Nesse caso, o Supremo Tribunal Federal criou, no cenário jurídico nacional, a figura da “suprema insegurança jurídica” para todos aqueles que mantêm relações funcionais ou negociais com a Administração Pública.


Publicado por: Larissa Cavali Data: 18/01/2019 10:13



Principais Notícias

Publicado em 13/12/2019 18:37 por Jardel Martinazzo

Cancelada chamada de professores ACTs para as Apaes

A coordenadoria regional de educação Joaçaba informa que a chamada dos professores admitidos em caráter temporário [...]

Publicado em 13/12/2019 08:26 por Jardel Martinazzo

CAPS promove reunião com usuários e familiares em Capinzal

Na quarta-feira, dia 11, o Centro de Atenção Psicossocial de Capinzal (CAPS) realizou mais uma reunião com os [...]

Publicado em 13/12/2019 07:23 por Jardel Martinazzo

Inconformado com o fim do relacionamento, homem ameaça ex-companheira com faca

No começo da noite de quinta-feira (12) compareceu na sede da Polícia Militar de Capinzal uma mulher de iniciais S.S, [...]

Outras notícias

Publicado em 11/12/2019 10:17

Campanha do Lions Clube arrecada 10 toneladas de lixo tecnológico

O Lions Clube Capinzal/Ouro realizou na quarta-feira, dia 04, mais uma Campanha [...]

Publicado em 11/12/2019 10:09

CERCA TROVA

Ao contrário de Van Gogh, o qual dizia que a visão das estrelas lhe fazia [...]

Publicado em 11/12/2019 10:07

Núcleo da Construção Civil finalizou estudo da Lei do Plano Diretor de Capinzal

O Núcleo da Construção Civil da ACIRP finalizou no dia 05 de dezembro o [...]

Publicado em 11/12/2019 10:02

VOCÊ SABIA QUE PODE SER SÓCIO DAS MAIORES EMPRESAS DO PAÍS?

É isso que acontece quando você compra ações das empresas que estão na [...]

Publicado em 11/12/2019 10:00

RESINA COMPOSTA - UM MATERIAL DE EXCELÊNCIA DESDE QUE BEM CONDUZIDO

Praticamente ninguém passa sua vida inteira sem ter um dente danificado, seja [...]

Publicado em 11/12/2019 09:56

UM PRESENTE BOM PRA... NATAL

Antonio concluía o ano escolar de 2019, e tinha uma ideia, digamos, fixa, que [...]