No ar

Jardel Martinazzo

Tarde Total

13:30 - 14:59 com Jardel Martinazzo

Ouça ao vivo Ouça ao vivo

APRENDER A APRENDER – PARTE II

Listas, organogramas, check list: um verdadeiro deleite aos olhos dos organizados de plantão. A capacidade de distribuir os horários entre as atividades do cotidiano e, acima disso, de cumprir pragmaticamente deveres e mais deveres propostos por si próprio merece admiração, ao passo que contempla apenas alguns poucos. De maneira geral, quanto mais tempo temos, mais nos achamos no direito de postergar o cumprimento do que não nos atrai, pelo simples fato de sermos atraídos pela possibilidade de priorizar as tarefas que realizamos com imenso prazer. Dessa forma, os minutos passados no sofá após o almoço acabam sendo transformados em horas imensamente restauradoras por permitirem um afastamento das preocupações... Contudo, ao final de um dia inteiro perdido no quesito produtividade, nos sentimos incomodados pela pergunta capciosa que importunamente insiste em ficar martelando na mente: “Afinal, o que eu fiz hoje?”. O grande “nada” que se segue como resposta é tão desagradável como a certeza de que ter todo o tempo do mundo pode significar exatamente o contrário.

Nesse sentido, um forte indício de sucesso nos mais diversos trabalhos assumidos ao longo da vida consiste na aplicação de uma organização meticulosa, ligada a uma dosagem balanceada entre deveres e prazeres, sendo eficiente de tal forma que permita o cumprimento de prazos (humanamente possíveis!) assim como o resguardo de uma parcela satisfatória do tempo para ser preenchido com o lazer. Nesse momento, visualizamos um cenário idílico tipicamente descrito pelos escritores de autoajuda: dar conta de tudo a despeito do tic tac incessante do relógio – isso seria possível?

Gosto de pensar que o ser humano é provido de um potencial intrínseco, que consiste em conseguir reservar um tempo a tudo aquilo e a todos aqueles que lhe são importantes; para tanto, a mudança de hábitos na desafiadora tarefa de organização é uma etapa crucial para o alcance de um resulto majestoso. Trazendo esse pensamento para o contexto acadêmico, reproduzo agora uma situação muito comum entre jovens e adultos integrantes de uma sala de aula: a sensação de soterramento causado pelo despejamento incessante de matérias, a culminar na necessidade do alcance de uma nota mínima para a aprovação. “Um verdadeiro caos” possivelmente torna-se a caracterização mais fidedigna quando realizada uma referência ao cotidiano daqueles que precisam estar presentes nas aulas presenciais, revisar a matéria do dia, elaborar e entregar os trabalhos propostos pelos professores, trabalhar para garantir o sustento e, muitas vezes, fazer-se mãe ou pai, esposa ou marido, daqueles que lhe esperam em casa.

Dilemas a parte, falemos agora da parte prática: a forma como se estuda influencia decisivamente tanto na qualidade do resultado do aprendizado, quanto no êxito em cumprir os prazos das atividades propostas ao longo da faculdade. Certamente, a fixação do conhecimento exige uma iniciativa de aplicação prática daquilo que foi apresentado como conteúdo teórico – a quantidade de vezes em que determinado conhecimento for fisgado lá do fundo do cérebro para ser trazido à superfície das águas do pensamento definirá se aquele conhecimento será transferido para a memória de longo prazo. Com isso, podemos compreender o motivo pelo qual os famosos coaches do aprendizado frisam a importância de registrar graficamente aquilo que foi ensinado, seja por meio de resumos escritos à mão ou digitados ou até mesmo com o auxílio dos famosos mapas mentais – amados por uns, detestados por outros. Além disso, não podemos nos esquecer da importância de buscar o aprofundamento naquilo que não nos foi possível compreender apenas com a explicação oral do professor; obviamente, o mais correto seria que todas as matérias explicadas fossem alvo de uma criteriosa investigação na bibliografia sugerida nos planos de ensino, contudo, caso isso não seja possível, ao menos aquela responsável por plantar a semente da dúvida deve ser aprofundada.

Por fim, tenhamos a certeza de que cada mente apresenta um processamento individual; mesmo que tenhamos aproximadamente a mesma quantidade de neurônios, as ligações que eles estabelecem entre si e a quantidade de impulsos que perpassam suas variadas vias determinam uma maior ou menor aptidão para determinado fim; aptidão esta passível de ser renovada e incrementada em todas as fases da vida – basta tirar um tempo para isso!

 

 


Publicado por: Douglas Varela Data: 05/06/2020 10:30



Principais Notícias

Publicado em 13/07/2020 08:33 por Fabio José Dos Santos Galio

Grupo Netos do Velho promoveu live solidária em prol da Rede Feminina de Combate ao Câncer de Capinzal

Foi realizada no sábado (11), uma Live do conjunto Netos do Velho, que também foi beneficente em prol a Rede Feminina [...]

Publicado em 13/07/2020 07:38 por Jardel Martinazzo

PM apreende moto barulhenta conduzida por adolescente em Capinzal

Por volta das 16h de domingo (12) a Polícia Militar em rondas pela Avenida José Leonardo dos Santos, Vila Sete de [...]

Publicado em 12/07/2020 09:48 por Jorge Soldi

PM registra ocorrência de violência doméstica, perturbação e disparos de arma de fogo

A Polícia Militar registrou por volta das 11h45min de sábado (11), ocorrência de  violência doméstica no bairro [...]

Outras notícias

Publicado em 13/07/2020 08:13

Estatuto da Criança e do Adolescente completa 30 anos

No Brasil de 1990, uma em cada cinco crianças e adolescentes estava fora da [...]

Publicado em 11/07/2020 11:24

Homenagem póstuma a Silvino Savariz

Foi sepultado na tarde da última sexta-feira, dia 03, no Cemitério Municipal [...]

Publicado em 11/07/2020 11:18

ESPECIALIDADE EM DENTÍSTICA RESTAURADORA E ESTÉTICA

Reconhecida como especialidade na década de 70, a principal característica [...]

Publicado em 11/07/2020 11:00

PM registra tentativa de roubo no Banco do Brasil em Abdon Batista

Polícia Militar de Abdon Batista, registrou uma tentativa de roubo na agência [...]

Publicado em 11/07/2020 10:32

LEMBRANÇAS DE VELHOS!

Estamos vivendo o tempo de reflexão, onde valores da existência estão sendo [...]

Publicado em 11/07/2020 10:18

TEM UM ANIMAL DE ESTIMAÇÃO? ESCREVA SOBRE ELE

Zélia Maria BonamigoJornalista e Antropólogazeliabonamigo@uol.com.br Não é [...]